1.3.09

braquicéfalos de estimação

a grande diferença entre a seleção natural e artificial é que o homem serve como mediador no segundo caso. na prática significa que a seleção ganha um propósito, ao contrário da seleção natural que ocorre sem propósito algum.
o homem seleciona características que lhe sejam úteis ou agradáveis, de acordo com sua necessidade e vontade. isso ocorre desde o surgimento da domesticação de plantas e animais, o que nos remete a pouco mais de 10 mil anos atrás, época em que surge a agricultura e o homem deixa de ser nômade.

a domesticação permitiu o homem escolher características a fim de melhorar algum aspecto que lhe fosse interessante, como a produtividade, resistência ou sabor de uma planta ou animal, o comportamento caçador de cães, e assim por diante. em outras palavras, é uma forma primitiva do que atualmente conhecemos como melhoramento genético.

só que o maior problema dessa técnica é que muitas vezes a escolha de determinada característica significa a expressão de uma outra que pode ou não ser desejável, isso porque, em última instância, quando escolhemos um gene, ele pode expressar mais de uma característica, e essas características "colaterais" podem muitas vezes ser indesejáveis.

recentemente conheci o caso da raça faiting goat, esta é uma raça de cabra que ao tomar um susto, fica paralisado e cai devido a uma miotonia congênita, ou seja, o animal apresenta uma desordem genética que causa a tonificação muscular. veja o vídeo abaixo, e perceba que é uma expressão comportamental bem tosca, porém bem ilustrativa.



mas nem sempre essas características "colaterias" são divertidas.
animais muito mais familiares sofrem com nossa intervenção em suas proles. falo de gatos e cães. algumas raças têm modificações estruturais tão grandes que se tornam muito feios, apesar de alguém que ler este post provavelmente discorde.
o gato persa por exemplo, é um gato feio que dói, parece que caiu de cara no chão e ficou amassado, mas ele nasce daquele jeito mesmo e muita gente ainda acha bonito.
pug, outro bicho feio com o focinho achatado

não bastando, ele não é apenas feio, mas sofre. sofre como algumas outras raças de cães e gatos que têm braquicefalia.
a braquicefalia é basicamente a fusão prematura de alguns ossos do crânio, fazendo com que as estruturas da cabeça fiquem apertadas no crânio - é como se o cérebro fosse maior que o crânio. a braquicefalia faz o animal respirar mal, pois apresenta as vias respiratórias mais estreitas, podendo causar até inflamações crônicas na faringe. este tipo de anomalia seria muito ruim até para seres humanos, imagine para um animal que tem o olfato como um dos principais sentidos!

há diversas doenças ou anomalias congênitas que selecionamos sem ao menos saber, e com a melhor das intenções, e a lista é gigante. para gatos, este link pode ilustrar a vastidão de mazelas que podemos causar neles.

enfim, o homem é capaz de selecionar qualquer característica mas ainda não tem total controle sobre a natureza neste aspecto, podendo mandar para frente características indesejáveis, apesar de cada vez mais rumar a raças e variedades ideais devido ao grande avanço tecnológico em pesquisas genéticas.

2 comentários:

ligia disse...

tudo bem, meu conceito de beleza braquiocefálica já vem sendo revista... já nem sei mais...

obrigada pelo site...

Anônimo disse...

Você sabe se essa doença da cabra existe em cães, por que a minha cadela da raça schanauzer faz igualzinho essas cabras, qndo sofre estress.
E não consegui achar nada sobre essa doença das cabras e cães na internet.
Obrigada...