14.4.09

o mestre da desinformação

recebi recentemente o email de Júlio César Bicca-Marques, através do grupo de emails de primatologia, no qual ele divulga a campanha "proteja seu anjo da guarda"

mas vamos por partes: globo ataca novamente com todo seu poder de persuasão desinformativa e alienante. é uma tremenda irresponsabilidade por parte de formadores de opinião fazer todo desserviço que prestam a fazer diariamente.

"A febre amarelaG é uma doença infecciosa, transmitida por um vírus do macacos [sic]. O mosquito pica o macaco e transmite ao homem."

"o mosquito pica o macaco e transmite ao homem"? que mecanismo biológico é esse?

quem transmite a doença ao macaco é o mosquito, assim como ao homem. se este mecanismo, de um vetor picar o macaco e depois picar o homem, for motivo de perseguição ao macaco bugio - espécies do gênero Alouatta - então deveríamos perseguir todas as outras pessoas que se tornam infectadas com a doença também. mas isso é uma tremenda idiotice sem tamanho.

a consequência direta disto é o medo e a perseguição em relação ao simpático bugio. o bugio sofre os atos antropogênicos duas vezes devido a febre amarela, pois além de sofrer com a degradação ambiental na forma de perda de habitat, ainda é perseguido devido ao ódio sem sentido das pessoas que se sentem lesadas com a doença. é a culpabilização da vítima que neste caso agrava o estado de conservação do bugio, além de ser ilegal causar a morte destes animais.

bugio possivelmente vítima de febre amarela em estado avançado de decomposição
(fonte)

o nome da campanha "proteja seu anjo da guarda" se justifica pelo fato de que mortes de bugios por febre amarela serve como bioindicador da circulação do vírus na região, alertando órgãos de saúde pública e acelerando programas de vacinação ao vírus da febre amarela.

mais uma vez a frase de dostoievski cabe aqui: "O homem está sempre pronto para distorcer aquilo que dizem os seus sentidos, simplesmente para justificar a sua lógica."

G existem dois tipos de febre amarela: a urbana, erradicada do brasil por volta da década de 1960, e a silvestre. os vetores da forma silvestre são mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, enquanto a forma urbana pode ser transmitida pelo Aedes aegypti, o mesmo vetor da dengue.

via primatologia (yahoo! grupos)

Um comentário:

Daniel Rodríguez disse...

Muito bom esse post Glenn!!