28.11.09

homem-pombos: por um antropocentrismo saudável


homem-pombos: o que fazemos com os outros é o que fazemos conosco. (fonte)

empatia é a capacidade de partilhar emoções e sentimentos com outros indivíduos.
esta capacidade é notável nas espécies, tais como de primatas, em que a sociabilidade é bem desenvolvida.
a empatia permite, portanto, que animais se desenvolvam em sociedades, criando identidade e coesão sociais.

numa cidade como são paulo somos, em diversos momentos do dia, tomados por uma apatia (quase-crônica), principalmente como mecanismo de defesa contra a agressão que é ver homens e mulheres, jovens, crianças ou velhos, vagando pela cidade sem teto, sem comida e muitas vezes sem companhia.

algumas pessoas que têm teto, comida e companhia, brilhantemente alegam que muitos deles façam isso por opção e por isso acabam não se comovendo: idéia mais estúpida que esta é difícil de encontrar. concluem, dessa forma, que essa é uma cena normal.
os sensatos hão de saber que esta é uma cena comum, mas não normal.
normal é que as pessoas tenham pelo menos o mínimo de bem-estar e confortos psicológico, físico e social.
as pessoas acabam indo para as ruas por infinitos motivos, dos quais a minha imaginação provavelmente seria insuficiente para entender. o fato é que a maioria deles está logo alí na esquina, sob o viaduto ou onde quer que não sejam maltratados, sobrevivendo (com alegria quando possível) ao duro cotidiano.

a necessidade de compartilhar sentimentos e emoções levam muitos dos moradores de rua a falarem com pessoas imaginárias, resultado do isolamento social (bem ilustrado no filme 'o náufrago'). mas não é sobre isso que quero falar.

o que vou dizer é sobre uma outra característica da empatia em pessoas em condição de rua, esta que nos confere a característica de nos identificar com o próximo. muitas vezes os vemos acompanhados não de pessoas, mas acompanhado de cães.
é desconcertante, mas a empatia parece ser inversamente proporcional a renda das pessoas, ou seja, quanto mais ricas, menor empatia. isto é ilustrado no ditado que diz  que são os pobres que sempre se ajudam.
fome, não sei o que é passar fome, mas os pobres famintos sabem; e identificam-se na necessidade do próximo a própria necessidade de saciar essa mazela. cada pão encontrado é um pão compartilhado: seja o "outro" humano ou cão.

dito isso, nesta cidade há uma figura urbana, quase um personagem do imaginário da paulicéia. um morador de rua que vaga pela cidade vasculhando nas lixeiras por algo que possa alimentar, não sua própria necessidade, nem de um cão, mas de pombos.
a ele apelido carinhosamente de homem-pombos

aqui faço um adendo:
os pombos a que refiro são os mesmos que causam diversas zoonoses e cuja qualidade de vida é afetada negativamente quanto maior a população. uma baixa qualidade de vida significa, dentre outras coisas, maior ocorrência de doenças, sendo potencialmente nocivo a outras pombas mas também a outros animais (inclusive o homem, claro).
populações de "pragas" urbanas são controladas basicamente pela disponibilidade de água, alimento e abrigo. a restrição a tais recursos permite o controle dessas populações, sendo o comportamento humano um fator que afeta diretamente a manutenção delas.
o único lugar do planeta que tenho conhecimento de que controle de pombos urbanos tenha sido efetivo foi na cidade de basel na suíça. basel é uma cidade de menos de 200 mil habitantes (sendo a segunda cidade mais urbanizada da suíça, segundo o wikipedia), ao contrário de cá, lá não há lixo jogado nas ruas, as pessoas respeitam as leis, e os níveis de educação formal são muito superiores aos nossos. o controle de populações dessas aves por lá se deu basicamente por meio de educação ambiental (uma vez identificado que as pombas eram sustentadas principalmente por "pigeon-friends" que os alimentavam, cartazes que mostravam os males que grandes populações de pombos causavam à própria ave além da determinação de locais apropriados para a prática de alimentá-los); sendo suficiente para que o controle de pombos fosse bem sucedido.
nem tem como comparar as condições de são paulo com basel.
a começar que na conurbação em que se insere o município de são paulo vivem quase 20 milhões de pessoas, sendo um dos lugares mais populosos do mundo. grandes populações, como no caso das pombas, trazem um custo muito alto para a qualidade de vida dos indivíduos que a compõe, muitas vezes não compensando seus benefícios. numa sociedade pós-moderna partida, os custos e benefícios são partilhados de forma bastante desigual. apenas para situar melhor esta desigualdade: o brasil (uma das dez maiores economias do mundo) está entre os países com uma das piores distribuições de renda do planeta, e em são paulo estão as pessoas mais ricas do país.
os problemas ambientais aqui são acetuados por aspectos não apenas políticos (interesse de classes), mas também por problemas socioeconômicos gravíssimos.
para termos um mundo sustentável (e portanto mais justo e saudável) temos de nos centrar na qualidade de vida do homem, este que deve ser o centro de todas as preocupações, mas isso jamais deve vir em detrimento da qualidade do ambiente em que ele se insere. a preocupação ambiental não deve ser motivada por um paternalismo nojento que apenas estraga este país.
... retornando à programação normal:

outro dia, enquanto estava no ponto de ônibus logo na saída da estação trianon-masp, um homem aos trapos passou vasculhando o lixo. acompanhando ele estavam cerca de 30 pombas que sobrevoavam, pousavam e esperavam por ele logo adiante. no lixo seguinte ele encontrara algo: um pão. fez dele migalhas e jogou às pombas. não foi naquele momento que tinha percebido isso, mas naquele momento decidi escrever sobre o episódio.
ele não é o único que alimenta pombos, assim como não apenas pombos são alimentos por essas pessoas. há pessoas alimentando todo tipo de bicho, o que quer que mereça a empatia de um ser humano.
essas pessoas são, sem dúvida, um fator importante na disponibilização de alimento a estes animais. fazem isso simplesmente para saciar a fome de outrém, como fariam por elas.

fome crônica, isto que não sei o que é, é antes de mais nada um problema social.
mas enquanto ignorarmos cada tapa na cara que o duro cotidiano nos infere, nada faremos pelo mundo, pelas próximas gerações, nem por nós mesmos.
o homem deve estar no centro das preocupações do homem, sempre.

para ler mais sobre manejo de pombos urbanos ferais, procure pelos estudos de daniel haag-wackernagel.

Um comentário:

ligia disse...

vi ele na rua hoje cedo... o mesmo tanto de pomba em volta.. esmigalhava o pão e olhava elas comendo com um sorrisão no rosto...