13.1.10

gaivotas comedoras de baleias!


assista em tela cheia para melhor visualização

  hábitos generalistas permitem aos animais aproveitarem recursos novos, sejam temporários ou duráveis. a novidade pode vir como um item inédito ou uma forma de apresentação inédita.
  no caso das gaivotas argentinas, o lixão é o recurso ideal para desestruturar e aumentar continuamente a população que usufrui tal oportunidade. aliás, oportunismo é um conceito chave para compreender o comportamento desses bichos.


  gaivotas cozinheiras no lixão à beira mar

  basicamente criamos um problema gigantesco (lixão), e isto gera um problema secundário de importância ecológica, já que intensifica interações entre gaivotas e baleias francas.
  a população de gaivotas cresce devido à virtual ausência da sobrevivência diferenciada que o lixão provê e como consequência qualquer indivíduo que seria morto por pressões ambientais menores, sobrevive.
uma população maior em que os indivíduos se comportamentam como numa população normal, a frequência destes mesmos comportamentos são obviamente aumentados em alguma proporção.


  vai um petisco de baleia aí?

o ataque as baleias afetava apenas 1% da população de baleias, agora vitima mais de 3/4 desta mesma população.
  estas baleias são quem sofrem diretamente com tudo isso: feridas causadas por estas aves, como qualquer outra ferida podem infeccionar, levando a consequências potencialmente graves, chegando até a matar o animal.
  a gaivota apenas aproveita o fato de que a baleia é um mamífero e precisa subir a superfície para respirar, completando o cardápio com uma fonte de gorduras muito preciosa. segundo a matéria da bbc mundo (que por sinal está bem mais completa que da bbc brasil), aquela é uma área de reprodução destas baleias, fazendo com que esses gigantes marinhos gastem muito tempo (cerca de 1/3 do tempo) e energia fugindo ao invés de utilizá-la na amamentação e outras atividade de criação do filhote, o qual seria o apropriado.

  quanto ao comportamento da gaivota, achei o seguinte textículo ao buscar pelos termos gaivota baleia franca:

"Na Argentina: a interação agressiva das gaivotas cozinheira. Nos anos 80 pesquisadores, como Dr. Ricardo Batista, observaram que as gaivotas se alimentavam da pele que se desprendia das baleias, entretanto esta interação foi se modificando no início dos anos 90, quando começaram a ser observados os primeiros ataques de gaivotas que bicavam o lombo das baleias para se alimentarem de sua pele e gordura. A partir da metade dos anos 90 esta interação agressiva das gaivotas se intensificou notavelmente e passou a ser sumamente prejudicial para as baleias, provocando mudanças em seu comportamento, já que as baleias, para evitar os ataques, começaram a passar menos tempo na superfície e a adotar posições de nado atípicas, como as chamadas pêlos (sic) capitães de “posição galeão”, para evitar a exposição de seu lombo ao ataque das gaivotas.", via el portal de puerto pirámides
  o nosso estilo de vida obviamente afeta e molda os comportamentos de outras espécies que convivem conosco. mais uma vez a questão do lixo me faz deparar com situações que nunca cogitei (demonstrando ser realmente um sistema super complexo), nos forçando a pensar em possíveis soluções para os problemas socio-político-econômicos e ambientais que nossa ocupação neste planeta causa.

vídeo via bbc brasil, fotos via bbc mundo

Nenhum comentário: